terça-feira, 22 de julho de 2008

pra ler um pouquinho mais !

sobre: felicidade


A minha felicidade não é a sua
Martha Medeiros

No mais recente livro de Carlos Moraes, o excelente “Agora Deus vai te pegar lá fora”, há um trecho que uma mulher ouve a seguinte pergunta de um major: “Por que você não é feliz como todo mundo?” A que ela responde mais ou menos assim: “Como o senhor ousa dizer que não sou feliz? O que o senhor sabe do que eu digo para o meu marido depois do amor? E do que eu sinto quando ouço Vivaldi? E do que eu rio com meu filho? E por que mundos viajo quando leio Murilo Mendes? A sua felicidade, que eu respeito, não é a minha, major.”

E assim é.

Temos a pretensão de decretar quem é feliz ou infeliz de acordo com nossa ótica particular, como se felicidade fosse algo que pudesse ser visualizado. Somos apresentados a alguém com olheiras profundas e imediatamente passamos a lamentar suas prováveis noites insones causadas por problemas tortuosos. Ou alguém faz uma queixa infantil da esposa e rapidamente decretamos que é um fracassado no amor, que esse casamento deve ser um inferno, pobre sujeito.

É nestas horas que me pergunto: mas que sabemos nós da vida dos outros?

Nossos momentos felizes se dão, quase todos, na intimidade, quando ninguém está nos vendo. O barulho da chave na porta, de madrugada, trazendo um adolescente de volta pra casa. O cálice de vinho oferecido por uma amiga com quem acabamos de fazer as pazes. Sentar-se no cinema, sozinho, para assistir o filme tão esperado. Depois de anos com o coração em marcha lenta, rever um ex-amor e descobrir que ainda é capaz de sentir palpitações. Os acordos secretos que temos com filhos, netos, amigos. A emoção provocada por uma frase de um livro. A felicidade de uma cura. E a infelicidade aceita como parte do jogo - ninguém é tão feliz quanto aquele que lida bem com suas precariedades.

O que eu sei sobre aquele que parece radiante e aquela outra que parece à beira do suicídio?

Eles podem parecer o que for e eu seguirei sem saber de nada, sem saber de onde eles extraem prazer e dor, como administram seus azedumes e seus êxtases, e muito menos por quanto anda a cotação de felicidade em suas vidas. Costumamos julgar roupas, comportamento, caráter - juízes indefectíveis que somos da vida alheia - mas é um atrevimento nos outorgar o direito de reconhecer, apenas pelas aparências, quem sofre e quem está em paz.

A sua felicidade não é a minha, e a minha não é a de ninguém.

Não se sabe nunca o que emociona intimamente uma pessoa, a que ela recorre para conquistar serenidade, em quais pensamentos se ampara quando quer descansar do mundo, o quanto de energia coloca no que faz, e do que ela é capaz de desfazer para manter-se sã.

Toda felicidade é construída por emoções secretas.

Podem até comentar sobre nós, mas nos capturar, só com a nossa permissão.

12 comentários:

ºDreº disse...

Gostei do texto
Beijos
Passa lá no meu também

O Sábio Niestévisky disse...

Realmente um texto �timo, me fez pensar. Parab�ns.

Nita disse...

Lindo o texo e o blog ta incrível...
De qualquer forma brigada por avisar da década que na verdade é século

Já mudei rsrsrs

Beijo

dieyoung disse...

disseste que gostou do meu texto! gostei desse também, mesmo sendo da cronista... =) parabéns!

Camila Colossi disse...

caracaas q
post construtivo \o
ameeei mesmoo xd

http://imensidadx3.blogspot.com

Fabio Midori Siegfried disse...

Cara! Preciso te adicionar nos meus favoritos! Adorei!
Beijos

The Popcorn_Nose disse...

tô de volta... meu blog ta novinho e agora nao mudo mais!
depois volto com calma!
beijocas!

Thaís Abdala :) disse...

Amei o texto :)
Depois passa lá no meu blig, te dei um selo!
Beijos '

teaguentanosalto disse...

adoramos o blog! beijos

Sabrina Sancler disse...

perfeito esse texto x)

Maldito disse...

è oq ue eu sempre digo,...egoismo não é viver a sua vida do jeito que você quer, e sim querer que as pessoas levem a vida do jeito que você quer,...

Bjs

Mantenha Contato!

teaguentanosalto disse...

é vero! muuuuito legal o texto!
mas acho difícil as pessoas pararem de achar que sabem sobre os outros, muuuuito dificil.. julgar então, impossível..
mas felicidade e dor, são coisas um tanto complexas..
"só o dono da dor, sabe o quanto dói" ahuahauha tu escreve mt bem, mulher! vou dar sempre uma passada aqui, pra ler coisas que prestem ;) beijao.